Category

Uncategorized

Category

Possibilidade: The 1975 no Lollapalooza BR 2017

Recentemente foi divulgada a data do Lollapalooza 2017, o festival vai acontecer dia 25 e 26 de março de 2017.

Junto com a data do festival muitos sites começaram a especular qual seria a list de artistas no Line Up, entre os mais cotados temos Years & Years, Lana Del Rey e… The 1975.

Confira a matéria do site Confira Mais:

Possíveis Atrações do Lollapalooza 2017 Brasil

Apesar da longa espera para o Lolla 2017, e mais ainda para a divulgação do line up oficial, alguns nomes já estão listados dentro das especulações.

Uma das probabilidades é de que os artistas ligados à William Morris Endeavor Entertainment (WME), que estão em turnê, poderão se apresentar no Lolla ano que vem. A WME é a agência co-realizadora do evento ao redor do mundo.

De acordo com informações de mercado e certos rumores das produtoras, a banda britânica Radiohead e o LCD Soundsystem possuem grandes chances de virem ao Lollapalooza 2017.

Lana Del Rey, Future, The 1975, The Last Shadow Puppets, James Blake, Flume e MØ também estão cotados para o Lolla 2017.

Não é nada confirmado mas é uma possibilidade, uma coisa que nós fãs podemos fazer, é garantir o sucesso do show em Setembro no Audio Club, a produtora é T4F, mesma empresa do Lollapalooza, então o sucesso do show pode influenciar na volta da banda ano que vem, lembrando que no 1st desse ano, a banda divulgou que a partir de Dezembro uma nova setlist vai começar a ser produzida pela banda incluindo músicas muito pedidas pelos fãs como AntiChirst e This Must Be My Dream.

Por isso, mande como sugestão para produtora e para as redes sociais do Lollapalooza BR, juntos podemos garantir a segunda vinda dos meninos ao Brasil como banda.

Fonte: https://confiramais.com.br/festival-lollapalooza-brasil-programacao-e-atracoes/

Saiba como foi o show da banda no Barclays Center!

Nesse último dia 17, a The 1975 realizou um show no Barclays Center, em NY. Traduzimos aqui a análise do show feita por Kirsten Spruch, do Baeble Music, confira:

“The 1975: Não é mais um segredo:

Nada acontecia ainda, mas os fãs já estavam gritando. A antecipação aumentava e, enquanto nós esperávamos o The 1975 entrar no palco do Barclays Center, a plateia começou a levantar seus celulares, criando um lindo efeito de céu estrelado (que logo seria refletido de volta para nós).

Assim que entrou no palco, a banda não perdeu tempo, tocando logo uma de suas melhores músicas até agora, ‘Love Me’. Com três quadrados iluminados em cima da banda, quatro retângulos espalhados pelo palco e luzes rosas por todo o lugar, nos sentimos no meio do videoclipe com ar oitentista da música. O vocalista Matty Healy estava “elegante” e fez com todas as fangirls surtassem com um visual formal e inesperado – um terno cinza e óculos de leitura. O guitarrista Adam Hann também entrou na “moda do terno”, que era tudo menos simples, como se estivesse com uma estampa floral. Além das luzes, roupas, formas perfeitamente simétricas, e claro, a música, a estética da banda era o que as crianças de hoje em dia chamariam de “no ponto”.

Depois da primeira música, a banda estava carregada com uma intensa quantidade de energia. O pedestal do microfone de Healy já tinha caído, para vocês terem uma ideia. Eles mantiveram a energia nesse nível indo para outra música forte, “UGH!”. A plateia ficou mais empolgada assim que as luzes mudaram para imagens de prédios iluminados, imitando o horizonte de uma cidade. Foi um momento mágico enquanto a banda nos transportava para um mundo completamente diferente.

Mais tarde, entre uma música e outra, Healy tirou um momento para declarar o quão grato ele era por seus fãs. Ele falou algo como: “Isso é o porquê nós nos sentimos tão modestos: não somos uma banda que está em todas as revistas ou nas rádios, nós somos puramente gerados por fãs”. E isso é verdade. Alguns podem não perceber isso já que banda é tão grande agora, mas eles realmente devem seu sucesso aos fãs. Eles não estão sendo colocados em nossos ouvidos ao serem tocados em várias rádios e também não estão em todos os cartazes à vista. Eles não são uma banda fabricada sendo empurrada para nós por uma gravadora.

Mesmo que eles tenham músicas fortes e grudentas, como ‘Love Me’ e ‘Somebody Else’, a banda não segue sempre a mesma fórmula de música pop – eles têm muita liberdade, o que permite que criem o que quiserem. Por exemplo, seu novo álbum, “I Like It When You Sleep, For You Are So Beautiful Yet So Unaware Of It”, é o mais ambicioso possível, consistindo de faixas instrumentais que soam como o M83 junto à faixas que tem quase 6 minutos de duração. Você nunca ouvirá essas músicas nas rádios, porém o mundo inteiro sabe disso e, mais importante, os fãs amam. Isso faz com que os fãs que estiveram ali desde o dia 1 sintam como se as músicas ainda fossem seu próprio segredinho.

Enquanto a noite prosseguia, Healy tocou sua guitarra em algumas músicas e as luzes continuaram mudando. Até você vê-las, não entenderá quão mágicas essas luzes são e quanto trabalho foi colocado nisso. Eles usaram quase todas as combinações de cores e estampas interessantes como estática de televisão, horizontes de cidades, e muito mais. Os fãs continuaram enlouquecendo e jogaram rosas no palco, as quais Hann segurou enquanto tocava guitarra.

Outros destaques da noite foram ‘She’s American’, ‘Loving Someone’, ‘Somebody Else’, ‘fallingforyou’ e ‘Robbers’.

Durante uma das últimas músicas, ‘The Sound’, Healy pediu para o público pular ao mesmo tempo e ao invés de pular também, eu olhei ao redor para ver o quão lindo isso era. Todo mundo se juntou em uníssono, e foi um momento inesquecível. Devido a seus fãs, o The 1975 não está apenas amadurecendo musicalmente, mas também crescem como uma banda bem-sucedida globalmente. Em 2013, a banda tocou no Webster Hall, em Nova York, e três anos depois, eu tive a oportunidade de vê-los lotarem o Barclays Center. Mal podemos esperar para saber em qual lugar eles vão tocar depois de lançarem seu próximo álbum.”

Fonte: Baeble Music

Tradução: Alissa Bonomi

MASTERPOST: Referencias de “Somebody Else”.

Há alguns meses atrás Matty declarou que teríamos o tão esperado clipe do single “Somebody Else” e é claro,  os fãs ficaram extremamente felizes com a notícia. Um tempo depois, saiu na internet alguns anúncios da banda onde procuravam “Strippers” para fazer parte do vídeo, dai já começaram as especulações de como ele seria então, o que ninguém imaginava, é que o vídeo seria tão genial a ponto de ter ligações outros clipes da banda e até mesmo filmes famosos. Como já de costume, o The 1975 faz seus vídeos com alguns easter eggs, ou seja, “mistérios” que nós sempre damos um jeito de encontrar, e é claro que com “Somebody Else” não seria diferente. Então, VAMOS AS REFERENCIAS!

  • Filme “Rabbits” de “David Lynch”:

No inicio do video vemos Matty em uma sala consigo mesmo, onde ele tira a maquiagem de palhaço, troca de roupa, conversa com “seu outro eu” e sai. Nessa sala, bem no canto da parede vemos coelhos desenhados. Além disso, toda a decoração da sala lembra explicitamente o filme de David Lynch.

(Retirado do Youtube)

  • Referencia com o clipe de “A Change Of Heart”:

A primeira referencia do video de “A Change Of Heart” é bem clara: Matty chega na sua “casa” com a maquiagem que foi usada no vídeo anterior, assim como com as roupas.

(Matty com a maquiagem)

  • Referencia com o clipe de “Robbers”

Nessa mesma sala, vemos pendurado um pequeno quadro. Se aproximarmos bem: BOOM! É a foto do Matty com a modelo Chelsea, que fez a “robbers girl” no vídeo de Robbers.

  • Após a introdução, Matty sai de casa e várias cenas aleatórias do clipe são mostradas. A primeira temática de cores (azul/verde) do clipe lembra a mesma temática de cores do filme “Fight Club”, assim como os prédios e relâmpagos que ocorrem.

https://www.youtube.com/watch?v=PamLPnXk2ic

(Best Movie Scene: Fight Club “Ending”, Pixies: Where is my Mind)

(prédios do vídeo)

  • Agora então, Matty está na lanchonete, e vemos já de cara mais referencias ao clipe de “Robbers”

(Créditos: http://mattysteeth.tumblr.com/post/147093770275)

  • Entre uma cena e outra, Matty aparece desenhando retângulos com o ar que sopra, isso faz uma referencia ao clipe de “The Sound” onde ele faz o mesmo e escreve a frase “Help Me“.

(Créditos: http://blessedirwin.tumblr.com/post/147067474183/the-1975-somebody-else)

Agora, vamos a parte onde entra na boate/karaokê.

  • Nessas cenas temos claras referencias a: Love Me, Me, Robbers e A Change Of Heart.

Encontramos a referencia ao clipe de “Love Me” nas letras da musica cantada no Karaokê, onde lê-se somente a palavra “Me” fazendo referencia ao seu narcisismo. Talvez  também, a letra faça uma referencia ao estado psíquico de Matty na musica”Me”

  • Filme “Fight Club”.

Aqui vem mais uma referencia ao filme! Matty após cantar, acaba por deixar seus olhos caírem em uma garota fazendo com que ele saia do bar. Alguns garotos vão atrás dele para “tirar satisfações”  Matty apanha e fica sozinho, machucado e o mais importante (que vemos não exatamente nessa parte mas um pouco mais para o final): rindo. Vemos então a referencia de Tyler, quando apanha e continua a rir.

Voltaremos ao assunto “estado mental” com relação ao filme Fight Club mais para frente.

(Créditos: http://dontyouminds.tumblr.com/post/147067801812/mvstbemydream-fuck-that-get-money)

Matty agora vai para um club de strip, logo na entrada temos duas referencias uma a “Robbers” e a outra a “A Change Of Heart” são mais fotos em quadros espalhados pela boate.

  • Uma foto do Matty vestido de palhaço e uma cena de Robbers onde ele canta em cima da mesa.

  • Assim que ele entra na casa e strip vemos uma referencia explicita ao clipe de “Girls” que é a placa onde lê-se “Girls, Girls, Girls.”

(Créditos: http://mattysteeth.tumblr.com/post/147065779755)

Matty lá encontra uma garota que o seduz e eles vão para o estacionamento, onde há um carro. Daqui para frente vemos várias referencias ao clipe de “Robbers” novamente.

  • Aqui, a mão do Matty.

  • Depois, a dança no estacionamento.

E assim, vamos ao fim do clipe quando Matty “acorda” do seu transe.

Quando ele finalmente acorda do “transe” ele percebe que na verdade estava o tempo todo sozinho. Que na verdade, tudo não passavam de personagens criados por ele mesmo. E vemos então mais uma referecia ao “Fight Club”. Tyler, o personagem princpal, criou para si um “outro” Tyler que dava a ele coragem de fazer coisas que normalmente ele não faria sendo ele mesmo. Assim Matty fez.

  • Com a moça da lanchonete sentido pena de si.

  • A moça que o observa enquanto ele apanha.

  • e por fim, a moça com quem ele faz sexo.

No fim do vídeo também, onde vemos Matty caindo sozinho no estacionamento, temos mais uma parte em “Fight Club” assim como na parte onde ele se olha no espelho após levar um soco.

(Cenas do filme Fight Club)

(Somebody Else)

  • Temos também a famosa referencia a frase “La Poesie Est Dans La Rue” que se encontra em praticamente todos os clipes desde “The City”.

(The City)

(Robbers)

(A Change Of Heart)

(Somebody Else)

  • Agora para finalizar, fizemos (com ajuda especial da Elite!) um pequeno resumo de onde o video faz referencias com o filme “Fight Club” em um todo!

As referencias com o filme fight club não aparecem somente no plot do fim, mas também na seleção de cores do video. Diversas cenas do filme são recriadas no video tais cenas como as que Matty apanha no estacionamento, é visto bêbado interagindo com as paredes, e não menos importante o fim do clipe onde ele percebe que todo o mal, toda a pena, prazer, entre outros sentimentos que outras pessoas deram a ele, não passaram de sentimentos que ele mesmo proporcionou para si.

Indo mais além, agora tomando o filme para um pouco antes do clipe de “Somebody Else” podemos encaixar tudo isso na história da banda. O sentido de revolução que Tyler (personagem principal do filme) fez na sua propria vida no filme juntamente com a “revolução para a era rosa” da banda que ocorreu em Junho de 2015.

A banda desconstruiu sua imagem antiga para construir novos conceitos, ideias e um novo esquema de cores, etc. Uma das mais imapctantes frases do filme é “Everything is a copy, of a copy, of a copy…” essa frase se encaixa no fato de que “Somebody Else” é um enorme recorte de partes de outros clipes, como já citados acima nas referencias e também, um recorte de dois filmes (Rabbits e Fight Club). (Créditos do texto + teoria: Victoria Ide e Bianca Alvarenga)

THE 1975 NO GRAMMY?

O site “Rumor Mill” fez uma pequena matéria onde fala sobre os indicados e os possíveis para o Grammy desse ano. Na categoria de “Albúm do ano” alguns dos indicados são “Lemonade” da Beyonce, “25” da Adelle, “Views” do Drake entre outros artistas de peso. Entretanto, o site também menciona o “I Like It When You Sleep, For You Are So Beautiful and Yet so Unware of It” como possível futuro concorrente nessa categoria!

gramm
(Parte da matéria onde a banda é citada)

O Grammy acontece no dia 30 de setembro desse ano, e lembrando, a banda não foi nomeada AINDA! É somente um rumor. Mas vamos torcendo para que se torne verdade!

Fonte: http://hitsdailydouble.com/news&id=301813

NEWS: Matty fala para NME sobre novos lançamentos.

Matty disse, em entrevista à Billboard, novidades sobre os próximos trabalhos da banda. Traduzimos aqui a matéria da NME, explicando tudo. Confira:

Matty Healy do The 1975 diz que novas músicas podem chegar no próximo ano.

Matty Healy, vocalista do The 1975, insinuou que novas músicas podem ser lançadas em torno dos próximos 12 meses.

O quarteto de Manchester lançou seu segundo álbum “I Like It When You Sleep, For You Are So Beautiful Yet So Unaware Of It” em fevereiro e estão, no momento, em turnê na América do Norte.

Healy disse à Billboard, “Eu estou sempre fazendo um álbum”, adicionando, “Eu sempre fico confuso com a linguagem das banda que estão “indo fazer um álbum” ou que não conseguem escrever no meio de um turnê. Acho que é apenas algo que você faz – em qualquer momento e em qualquer lugar.

Falando sobre a estreia do novo álbum, em primeiro lugar tanto no Reino Unido quanto nos EUA, ele disse, “Isso é uma estatística incrível, realmente. Nos juntamos a vários artistas que já fizeram isso, que são os maiores artistas do mundo, então é incrível. Eu acho que isso representa nossa fanbase ser tão forte. Acho que representa a Internet. Acho que representa várias coisas, mas nós estamos muito felizes com isso.

Recentemente a banda completou uma turnê de 15 shows esgotados no Reino Unido, e irá aparecer nos festivais de Reading e Leeds e no Glastonbury nesse verão.

Em entrevista à NME em janeiro, Healy disse, “o mundo precisa desse álbum” e criticou bandas que não tem ambição.

“Se você não quer que sua arte atinja pessoas, isso te nega como artista,” ele disse. “Eu odeio essa coisa de banda indie de agir como se você não ligasse assim você não é julgado por ser ruim. Isso é o que o indie é agora. Esse senso visionário de ‘nós não ligamos’. Bem, então não faça isso. Saia daqui e vá fazer outra coisa.”

Fonte: NME